SEPARAÇÃO - parte I - UM MAL NECESSÁRIO

quinta-feira, fevereiro 19, 2015

Google imagens
Eis que é chegado o fim de um relacionamento de nove anos que definhava há longos e, por que não dizer, cansativos dois anos e meio (ou quase, ou talvez mais e eu estivesse me enganando... já não sei).

Conversamos algumas vezes pensando no que seria melhor para todos nós: tentar salvar nosso casamento, termos uma amizade colorida ou nos separarmos.
E depois de tanto tempo praticamente "empurrando com a barriga", já não estávamos mais convivendo mas nos tolerando. A separação era algo iminente e... antes que a situação se tornasse insuportável a ponto de perdermos o respeito um pelo outro, concordamos que seria um "mal necessário".

Tomada a decisão, veio a conversa "como vamos proceder" principalmente porque existem três crianças envolvidas nesse enrosco.
O Jean (vulgo ex-Mozão) já estava arrumando um lugar pra ficar. Ele precisava de algumas coisas para se manter e ter o mínimo de conforto, mas não falamos em bens nem em divisões. Estávamos concentrados no bem-estar das crianças.
Conseguimos convencer Maria Luíza (nossa filha mais velha) a passar mais uns dias de suas férias com a avó em São Gabriel (região da campanha do RS a 320 Km de Porto Alegre) com a condição de que ela poderia levar seu hamster junto, enquanto nos ajustamos - ela já entende muita coisa e inclusive percebeu quando tirei a aliança (dei a desculpa de que meu dedo estava doendo e coloquei de novo).

Assim sendo, ficou combinado de que ele virá em todas as suas folgas (comumente aos sábados) e duas vezes na semana, para almoçar com eles, e todas as vezes que for necessário e/ou possível.
Ele também me fez prometer que telefonaria sempre que eu precisasse, fosse o fosse!
Prometi.
E quando prometo... eu cumpro!


Até a próxima! o/
.

You Might Also Like

10 comentários

  1. É bom quando as coisas acontecem assim, com o entendimento e aceitação das duas partes Tais.

    As crianças acabarão por entender por fim. Vocês serão felizes ;)

    Beijo !

    | O Blog Que Não é Blog |

    | Sorteios Na Web |

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem melhor assim. Sem perdermos o respeito um pelo outro.

      Um beijo.

      Excluir
  2. Separação nem sempre é compreensível, seja por um ou pelo outro né? Mas é importante conversar e saber o que é melhor para ambos!

    Beijocas,

    www.nossoglamour.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Daiana. No nosso caso decidimos o que era melhor para os cinco. Evitando brigar na frente das crianças e continuando amigos, coisa que sempre fomos.
      Espero que venha mais vezes.

      Um beijo.

      Excluir
  3. Vai ser melhor pra vocês, se Deus quizer.

    http://www.virtualparadisee.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Separação nunca ocorre sem dor né mesmo? mas ainda bem que voces dois decidiram enquanto ainda há respeito e amizade, antes que a raiva viesse a fazer parte do cotidiano, assim a convivencia fica mais facil e para as crianças principalmente é importante que seus pais sejam amigos.
    Dias melhores virão tenha certeza.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Como já te disse, fiquei meio triste, sempre fico, mesmo sabendo q vc ta feliz com a decisão.
    Torço de coração que as crianças não sintam tanto a separação!
    Força Thais!

    Obs.: Lendo os posts atrasadamente!

    bjs

    fernandamouta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre triste quando algo termina, principalmente um casamento, né?
      As crianças estão bem, por enquanto, pois o Jean tem vindo vê-los dia-sim-dia-não e se eles estão chorosos, chamando por ele... eu ligo e ele vem. Taí a vantagem de continuarmos amigos.

      Saudade dos teus comentários... hehehehe

      Um beijo.

      Excluir

Não saia sem comentar!
Sua opinião é sempre bem-vinda e importante pra mim e pro blog.
Responderei a todos os comentários.

Obrigada pela visita.
Volte sempre!