O FUNDO DO POÇO...

quarta-feira, novembro 26, 2014


Oi Gurias e Guris!

(Flashback)

A licença-maternidade acabou e não consegui voltar ao trabalho.
Meu marido foi quem telefonou e marcou consulta, pra mim, com o psiquiatra pois eu não queria contato com as pessoas nem por telefone...
Parei (quase) completamente de sair de casa a ponto de ficar uma semana sem visitar meus pais... e moramos nos fundos da casa deles, no mesmo terreno!!!

Perdi as consultas com o psiquiatra (foram marcadas outras) por não conseguir sair de casa.
Às vezes não permitia que as crianças brincassem no pátio para não precisar botar o pé fora de casa...

Então recebi um chamado urgente, da empresa em que eu trabalhava, que me "obrigou" sair pois o pior havia acontecido: demissão por justa causa por abandono de serviço.
Oito anos de dedicação e empenho jogados fora!
Era o fundo do poço!

O pior era saber que estava pra acontecer e não conseguir reagir para evitar...
E só foi piorando.
A minha vontade foi se esvaindo cada dia mais...

Meu marido trabalhando no turno da noite, chegando às cinco da manhã e ainda tinha que se preocupar em preparar o almoço e às vezes a janta, quando vinha passar seu intervalo em casa, mas sempre acompanhado da frase: Não tem problema, deixa pra mim.
Era ele quem colocava seu uniforme pra lavar pois nem isso eu estava fazendo mais.
Meus filhos começaram a pedir pra tomar banho porque comecei a desleixar com eles também.
Que tristeza...

Me forçava a fazer alguma coisa quando sabia que viria uma visita. Era quando o "furacão da limpeza" passava pela casa. A bagunça era toda escondida em caixas (que iam parar embaixo do berço), dentro dos roupeiros...
E o marido na parceria!
Lavava-se a louça, varria-se a casa, banho em todos...
Para logo depois, da visita se despedir, eu me atirar no sofá novamente!

Porém, nos últimos meses nem o "furacão" eu consegui fazer mais - e algumas visitas conseguiram presenciar o caos que tomou conta da minha casa...
Minha mãe, que há muito não dava seus pitacos, dizia que já estava na hora de eu trocar de roupa. Nesse caso eu estava com um moletom (originalmente cinza) com manchas marrons por toda a parte e certamente fedorento!

Eu deitava e levantava com a mesma roupa!
Nem escovava os dentes ou os cabelos, apenas puxava pra trás e prendia.
Me tornei uma porca!


Até a próxima! o/
.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Oi Taís,
    Depois de comentar naquele post do Vida Organizada, estou acompanhando sua história por aqui, torcendo por um final feliz! :-)
    Acho que escrever sobre tudo é bom para organizar também as ideias! Sucesso e força na sua caminhada!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Li.
      Está fazendo, de fato, muito bem pra mim desabafar fazendo algo que gosto no caso escrever.
      Um beijo

      Excluir
  2. é Thais, que barra, nao consigo nem imaginar direito, mas fico feliz pq vejo que vc ta dando grandes passos para sair dessa depressão!


    bjs

    fernandamouta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Um de cada vez né, Fernanda?! Não dá pra pedir demais...
    Um beijo

    ResponderExcluir

Não saia sem comentar!
Sua opinião é sempre bem-vinda e importante pra mim e pro blog.
Responderei a todos os comentários.

Obrigada pela visita.
Volte sempre!